FARMAIS DE DRACENA

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

EDITORIAL DO BASTIDORES DA NOTÍCIA

O FIM DA EMPRESA MUNICIPAL DE SAÚDE DE DRACENA. NOVA PROPOSTA ENTRARÁ EM VIGOR

Estamos acompanhando a grande repercussão sobre um dos assuntos mais delicados e importantes dos últimos anos, ou seja, o anúncio do fechamento da Empresa Municipal de Saúde de Dracena. Muitos sabiam que a bomba poderia estourar em qualquer ano e pela decisão anunciada chegou o momento do desfecho em 2018.
No primeiro momento se percebe muitas reclamações e até indignação de internautas nas redes sociais. Vários deles protestam sem saber a fundo como está a situação financeira da Empresa Municipal de Saúde e sua grande defasagem no que tange a equipamentos. Outros fazem considerações importantes e interessantes. Todas as opiniões são válidas.
O pano de fundo é a preocupação da comunidade sobre os exames que deixarão de ser realizados na Empresa Municipal. Porém, durante o anúncio da descontinuidade da Empresa, foi informado que o município vai contratar a Santa Casa, várias clínicas e até o Consórcio Intermunicipal de Saúde (Cisnap) para prestar os serviços. Então, a população não será prejudicada e isso deve ser cobrado pela comunidade e vereadores durante o novo processo que se inicia.
O cidadão terá acesso a todos os exames e em locais com equipamentos mais modernos dos que os disponíveis na Empresa Municipal de Saúde. O que se deve cobrar também é o aumento dos tetos de exames para que mais procedimentos ocorram e em menor tempo. Fala-se em duas mil pessoas aguardando a ultrassonografia. Esse número precisa ser atualizado com o recadastramento dos interessados para se chegar a um número real. A fila de exames precisa diminuir.
Se na perspectiva de atendimento da população tudo pode melhorar, lamenta-se o desligamento dos funcionários. São várias famílias prejudicadas. Com os acertos trabalhistas à vista e com o recebimento do seguro-desemprego, o funcionário poderá se organizar para a sequência de sua carreira. São profissionais de alto nível e que terão espaço no mercado de trabalho e torcemos para isso. Vocês fizeram o seu papel da melhor forma e saem de cabeça erguida.
Uma grande falha na legislação é a extinção da Empresa Municipal de Saúde não passar primeiro pela votação na Câmara. Primeiro ocorre a liquidação da Empresa para depois o Legislativo realizar a sua votação. Se a Empresa Municipal de Saúde teve seu funcionamento aprovado no Legislativo, o mesmo deveria ocorrer no encerramento das atividades. A Câmara também não foi ouvida bem antes do desfecho e apenas participou de encontro do Conselho de Administração da Empresa Municipal como ouvinte. Os conselheiros sabiam em detalhes da situação financeira complicada e irreversível. Há quem diga que saúde pública não foi feita para dar lucro. Porém, prejuízos constantes podem comprometer um sistema que precisa de atualização e tecnologia se renovando.
Enfim, decisão já tomada e a repercussão aí está, sem a possibilidade de reversão. Uma nova história vai se iniciar no atendimento da população, que deve cobrar as melhorias anunciadas para o decorrer do tempo. Só no futuro e com o empenho de todos, poder público e população, é que poderá se avaliar os resultados positivos ou não das decisões agora anunciadas. Forme sua opinião a respeito do tema e acompanhe o resultado desta importante decisão.

Cláudio José/Bastidores da Notícia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Mande seu comentário no e-mail claudiojosejornalista@yahoo.com.br

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.